Linguagens, Identidades e Subjetividades

por Portal PPGHI
Publicado: 26/07/2017 - 15:35
Última modificação: 30/06/2021 - 16:19

Coordenadora: Carla Miucci Ferraresi de Barros

Esta linha de pesquisa integra projetos que, partindo de diferentes recortes temáticos e temporais, interpelam e analisam crítica e interdisciplinarmente as diversas dimensões das relações entre História, linguagens, identidades e subjetividades, considerando os jogos de poder que as configuram e seus múltiplos contornos. Reúne investigações que dizem respeito às relações entre a História e os campos das Linguagens, entendidas enquanto (re)elaborações simbólicas das experiências, organização e classificação de mundo, em suas diversas manifestações e suportes – visualidades, sonoridades e corporeidades –, e cujo enfoque teórico-metodológico evidencia as problemáticas da produção, reprodução e circulação de sentidos, assim como a das (re)configurações das formas de percepção. A linha também contempla investigações com interesses nas relações entre História e identidades, especialmente nos aspectos que configuram as identidades culturais, consideradas a partir da produção, dos modos de apropriação de (re)significações de sentidos e das redes de interdependências que os indivíduos estabelecem no interior dos arranjos sociais, considerando as interseccionalidades entre etnia, raça e gênero, a partir dos incessantes tensionamentos entre as forças que operam nos processos de sujeição dos corpos e das ideias, e as estratégias e táticas que configuram resistência, atentando para a reorganização das relações de força que constroem e hierarquizam os saberes, as identidades, as sensibilidades e os processos de subjetivação. Nesse sentido, a Linha abriga pesquisas nos campos dos estudos de gênero, das escritas de si, das biografias e as que envolvem os processos de composição, rearticulação e agenciamento das escritas da história e das narrativas que abrangem a construção e a gestão da memória, do esquecimento e dos patrimônios – material e imaterial - nas várias linguagens como cinema, dança, teatro, tv, música, jogos digitais, literatura, artes plásticas, instalações e mídia.

 

Referências bibliográficas:

AGAMBEN, Giorgio. A potência do Pensamento. Ensaios e Conferências. 1ª. ed. 2ª. reimp. BH: Autêntica Editora, 2017.

ARENDT, Hannah. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. 5ª. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

BENJAMIN, Walter. Passagens. BH: UFMG 1ª. ed., 2007.

BUTLER, Judith. Corpos que importam. Os limites discursivos do “sexo”. SP: n-1 Edições, 1ª. ed., 2019.

                      . A vida psíquica do poder. Teorias da Sujeição. Belo Horizonte: Autêntica. 1a. ed., 2017.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Quando as imagens tomam posição. O olho da História, I. BH: Ed, UFMG, 2017.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito. WMF Martins Fontes; Edição: 3ª, 2010. HALL, Stuart. Identidade cultural na pós - modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

DELEUZE, Gilles, GUATTARI, Fêlix. Mil Platôs. 5 volumes. São Paulo: Ed. 34, 1ª. ed., 1995. MIGNOLO. Walter. Desobediencia epostémica. Retórica de la modernidade, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. 2ª. ed.-Ciudade Autónoma de Buenos Aieres: Del Signo, 2014.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. SP: n-1 edições, 2018.

MITCHEL, W.J.T. O que as imagens realmente querem? in ALLOA, Emmanuel. Pensar a Imagem. 1a. Ed., Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

RANCIÈRE, Jacques. O destino das imagens. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012. SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o Subalterno falar? BH: Ed. UFMG, 2010.